RSS
 

DIFÍCIL ENTENDER O BRASIL

Benedicto Ismael C. Dutra
14/06/2014



Não está fácil entender o Brasil e sua economia errática nesta fase. Os comentários são apaixonados, perde-se a visão real, o que é prejudicial porque vamos ficando para trás na guerra econômica global. As medidas se tornam eleitoreiras bem como as análises, tanto para o bem como para o mal. Tudo muito lamentável. O país do futuro fica amarrado na mesquinharia dos políticos. É como disse Getúlio, todos querem alguma coisa para si, para seus amigos, nunca para o bem do Brasil.

Há um "conluio antidistributivo" no Brasil que puniu a presidente Dilma quando ela tentou reduzir as taxas de juros e desvalorizar o real. Empresários compensaram queda no rendimento de aplicações com alta de preços, impedindo uma guinada na política econômica.

A análise é do sociólogo Adalberto Moreira Cardoso, 52, diretor do Instituto de Estudos Sociais e Políticos da Universidade Estadual do Rio de Janeiro, que inclui no "conluio", parte da classe média rentista e o setor de serviços. Para ele, a campanha eleitoral deste ano será radicalizada, e as mídias sociais alimentam a animosidade.

Doutor pela USP e autor de dez livros –entre eles "A Construção da Sociedade do Trabalho no Brasil" (FGV, 2010) e "Ensaios de sociologia do mercado de trabalho brasileiro" (FGV, 2013) –, Cardoso enxerga Dilma como nome mais forte. Mas, ao contrário do que ocorreu com Lula, prevê que a presidente "não vai poder surfar acima das brigas entre candidatos. Ela vai ser o alvo principal dos ataques".

A seguir, trechos da entrevista concedida por telefone, do Rio de Janeiro.



Folha - Qual sua visão do processo eleitoral?

Adalberto Cardoso - A campanha será mais radicalizada, muito violenta. Não só em relação aos ataques pessoais entre candidatos, mas também nas ruas. Várias cidades há disputas muito intensas pelo poder. Pela primeira vez em 12 anos, a oposição está vendo de fato uma chance de voltar ao poder. No caso do PSB, de chegar ao poder. Ambos estão agindo de maneira muito dura na oposição. As novas mídias sociais estão permitindo o afloramento de um radicalismo raivoso por parte da população. Ele sempre existiu, mas antes não parecia. Nas redes sociais isso fica muito explícito. Isso alimenta uma animosidade entre os contendores muito pouco saudável para a dinâmica da democracia. As redes sociais não têm contribuído para formar opinião, mas para radicalizar as opiniões que as pessoas já têm. Isso é ruim numa dinâmica em que estarão em questão os horizontes da política, o futuro que queremos. Essa eleição reinaugura a disputa política propriamente dita. O PSDB, que agia de maneira errática nas últimas três eleições, está claramente com um projeto mais definido, mais conservador, mais à direita, definindo um eixo de retomada de um projeto que foi bem-sucedido no primeiro mandato de FHC. Mas que fracassou no segundo mandato. O que o Aécio tem afirmando é o projeto do segundo mandato de FHC. O primeiro foi mais claramente neoliberal, com políticas de abertura da economia. Todo o receituário neoliberal, com muita intensidade, foi implementado. No segundo, deu-se um passo adiante, do meu ponto de vista ainda mais equivocado. O primeiro mandato teve a virtude de ter controlado a inflação a um preço muito alto, que foi o do emprego formal, industrial. O Brasil entrou numa rota de desindustrialização a partir de 1995, 1996, que só se aprofundou com o tempo. Chegou-se ao final do segundo mandato com 40% de emprego formal. O emprego industrial, que tinha atingido 22%, foi para 11% da PEA. Houve uma desindustrialização dos empregos e um aumento brutal do desemprego. O custo social das políticas adotadas foi muito alto. As pessoas se esquecem de que o Brasil estava numa rota de dolarização quando Lula ganhou a eleição. O projeto de FHC era de dolarização da economia. Armínio Fraga já tinha transformado quase 40% da nossa divida interna em nominada em dólar, expondo profundamente a economia às intempéries internacionais.

O projeto Aécio é semelhante ao de FHC?

É de voltar às políticas de FHC. Seu possível ministro da Fazenda é Armínio Fraga, um dos responsáveis pela grande fragilidade do Brasil no segundo mandato do FHC. Ele colocou o Brasil numa rota de dolarização da economia num momento em que a dolarização já tinha destruído a economia da Argentina. Ele está fazendo o programa do PSDB, baseado nas políticas neoliberais de financeirização da economia.

Qual o significado da candidatura de Eduardo Campos?

É uma oposição que saiu do governo, uma candidatura de oportunidade. Com a saída de Lula da disputa, ele se sentiu livre para, entre aspas, trair o seu aliado principal. Entre aspas porque a lealdade dele era em relação à pessoa de Lula, não ao partido. Uma aliança típica das oligarquias no Brasil. Ele, como filho de oligarca, agiu como tal. É perfeitamente legitimo. Foi um movimento oportunista, assim como foi oportunista a aliança com Marina Silva, com quem ele não tem a menor afinidade ideológica.

Ideologicamente, como essa candidatura se posiciona?

Campos ainda não disse a que veio em termos de seu projeto de governo. Diz que podemos fazer mais e melhor, que vamos dar continuidade ao governo Lula e esquecer Dilma, como se a Dilma tivesse traído as diretrizes de Lula. É como se estivesse reafirmando sua fidelidade a Lula. Não há outra possibilidade a Campos do que partir para ataques pessoais. A questão da corrupção vai surgir de novo. Faz parte das campanhas em todo o mundo. A corrupção, infelizmente, vai ser de novo a tônica do debate eleitoral no Brasil. Isso vai respingar para cima de Lula e dos governos anteriores. Campos não tem projeto de governo. Vai ser difícil para ele quando a Dilma começar a mostrar os resultados de sua administração –e ela tem muito para mostrar. Ele vai ter que apresentar um programa com alguma credibilidade. De um lado da oposição estão André Lara Resende e Eduardo Giannetti. De outro, Armínio. Vai ficar claro é que existe um projeto neoliberal e de aliança com o sistema financeiro do lado da oposição nas duas candidaturas. De outro lado, há uma candidatura mais voltada para o neodesenvolvimentismo, que de alguma forma olha para a produção, para a economia real.

Se essa campanha vai ser mais radicalizada, como isso vai acontecer do lado do governo?

Todas têm sido muito radicalizadas. A única que não, foi em 2002, quando o PT apresentou um programa alternativo e o governo que estava saindo era muito mal avaliado. Não foi possível bater na pessoa de FHC. Houve uma certa divisão de trabalho na campanha, e ficou para o Ciro Gomes bater. Isso permitiu que Lula surfasse acima das disputas pessoais. Isso não vai ser possível nessa campanha. Dilma não vai poder surfar acima das brigas entre candidatos. Ela vai ser o alvo principal dos ataques. Eduardo Campos sabe que a única possibilidade de ir para o segundo turno é destruir Aécio. O inimigo de Campos não é Dilma; é Aécio. Dilma estará no segundo turno, se houver segundo turno. A campanha ainda não começou. Hoje tudo indica que haverá um segundo turno. A oportunidade única de Campos é impedir que Aécio mantenha a intenção de voto que ele tem hoje. Haverá uma luta no campo da oposição.

Mas ambos aparecem muito juntos, numa relação de boa vizinhança, não?

Não. Marina já disse que o projeto deles não tem semelhança com o PSDB.

Ela está correta?

Ela tem um projeto que é diferente do de Campos. Ela tem uma visão da política que é mais comunitarista, não individualista, que é o caso de Aécio e do PSDB em geral. Ela tem um viés conservador de outro tipo. É um conservadorismo voltado para a vida comunitária, contra a ideia de financeirização, de subordinação do Brasil ao capital financeiro internacional. Ela tem um projeto; Campos não tem. Ele estava costurando uma aliança com o agronegócio quando Marina foi para o partido dele e isso foi desfeito. Então, Aécio se colocou como candidato do agronegócio. Ela tem uma diferença em relação ao PSDB. Ela foi oposição ao PSDB a vida inteira e continua sendo. Do ponto de vista dela, não tem aliança possível com o PSDB. Uma aliança entre os dois partidos que possam marchar juntos para destruir a Dilma no segundo turno dificilmente vai acontecer por causa de Marina.

O que pode acontecer se o segundo turno for entre Aécio e Dilma?

O mais provável é que haja um apoio à Dilma do que a Aécio. Campos está muito mais próximo desse campo da coalizão de governo do que do PSDB. Ele tem se mostrado um político muito pragmático.

O sr. fala que a candidatura Dilma é neodesenvolvimentista, mas o crescimento do país é baixo e a desindustrialização segue.

Crescimento baixo depende do parâmetro. Se olhar para a China, é baixo. Mas se olhar para a América Latina, o Brasil está crescendo na média. O Brasil não está sozinho no mundo. É um erro comparar o Brasil com a China, que é a segunda economia do mundo, que é um regime autoritário.

Mas o governo é desenvolvimentista?

O governo é de uma coalizão, na qual o PT tem a liderança. Implementar políticas com esse Congresso não é fácil. O executivo tem sido refém de uma política que tem troca de favores no Congresso. Por causa do tempo de televisão, que é um grande elemento da dinâmica política do Brasil. O tempo de televisão é a grande moeda em ano eleitoral e no ano anterior e anterior. Há políticas que não podem ser implementadas por haver uma base política conservadora. O governo chegou tarde à conclusão de que a economia brasileira está profundamente fragilizada. Do ponto macroeconômico está bem, com sinais de que pode piorar depois. A economia do país foi fragilizada ao longo dos últimos 20 anos.

O sr. pode explicar melhor?

Em parte por conta da âncora cambial dos dois mandatos de FHC. Ainda que tenha que tenha acabado em 1999, ela retornou via taxa de juros, uma das maiores do planeta. O dólar chegou a bater R$ 3. Lula restituiu a âncora da economia brasileira via taxa de juros. São 20 anos de política que Dilma tentou reverter quando começou a baixar de maneira consistente a taxa de juros. Dilma foi punida pelo mercado, inclusive pela indústria.

Punida como?

Quando a taxa de juros chegou num patamar que todos, inclusive a Fiesp, saudaram como uma taxa civilizada, juros reais de 2%, todo mundo começou a aumentar preço. Porque o empresariado no Brasil deixou de investir quando a taxa de juros ficou muito baixa, ao contrário do que acontece no mundo inteiro. No mundo inteiro, quando a taxa de juros está muito alta, os empresários não investem. No Brasil é o contrário: os empresários investem com taxa de juros alta, porque ela reduz o risco do investimento. Por incrível que pareça! Quem financia o investimento no Brasil é o BNDES, o investimento é com juros subsidiados. Com taxa de juros alta, os empresários podem ganhar no mercado financeiro. O que ajuda a segurar preço não é o fato de que a demanda é contida pelos juros altos. Porque os empresários compensam os preços das mercadorias ganhando no mercado financeiro. Não é preciso aumentar preço: eles estão ganhando em outro lugar. Quando a taxa de juros cai, a primeira atitude do empresário que começa a perder dinheiro no mercado financeiro é aumentar preço. A economia é oligopolizada. Em todos os setores importantes, três ou cinco empresas ou grupos têm mais de 50% do mercado. Como essa profunda oligopolização, os grandes grupos têm o poder de arbitrar preços. Dilma foi punida fazendo o que todo mundo pediu: redução consistente de taxa de juros e aumento consistente do câmbio, desvalorização do real. Quando o câmbio bateu em R$ 2,4 e os juros em 7,5% todo mundo reagiu contra. Há agentes econômicos com grande poder de veto a medidas que representam, do ponto de vista dos rentistas, perda de renda. Esses agentes não permitiram dólar alto e juro baixo.

Há um pacto pró juro alto no Brasil?

Existe um conluio antidistributivo no Brasil. Reúne as classes médias, que querem juro alto para garantir sua aposentadoria, sua viagem internacional, para garantir dólar baixo. Interessa a essa classe media e parte dela está contra o governo, é conservadora. Vai votar contra, apesar de ter ganhado muito com a taxa de juros. Essa classe média é antidistributiva, é contra as políticas do tipo Bolsa Família, de melhoria da vida dos mais pobres. A indústria reclama da taxa de juros, mas, quando a taxa de juros cai, responde com aumento de preços. O resultado é aumento de preços, não investimento. Aí é o aumento da taxa de juros para conter a inflação. O BC não tem outra saída a não ser aumentar os juros. O setor de serviços é o maior responsável pelos aumentos de preços. São três agentes muitos poderosos: tem consumidores, uma certa fatia de rentistas que é grande, de 25% a 30%, que ganha com as taxas de juros dos fundos públicos; têm a indústria e o setor de serviços. Quando se aumenta a taxa de juros, se transfere diretamente recursos do Tesouro nacional para esses agentes. A taxa de juros é fruto de uma luta política entre agentes econômicos para o aceso dos fundos públicos no Brasil. O governo percebeu a sinuca de bico em que estamos metidos decorrente de muitos anos de taxas de juros muito altas e inflação baixa –para os padrões brasileiros.

Como esse conluio pode ser enfrentado?

A indústria brasileira foi muito fragilizada. A China ficou 20 anos com o câmbio muito desvalorizado e todo mundo foi para lá. Antes tinha sido o Brasil, o México. Isso não tem mais volta, é uma configuração da economia mundial. O Brasil perdeu, mantendo muito valorizada sua moeda nesse período. O processo é de longo prazo. A China levou 30 anos para chegar onde está. O Brasil tomou outro caminho e não se reverte uma política assim em pouco tempo. A política de redução de juros e desvalorização do câmbio durou um ano e meio com Dilma, e ela foi punida pelos agentes que são contra essa guinada. Isso não quer dizer que essa guinada não possa ser dada. Ela provou do custo de dar essa guinada. Poderia ter tentado bancar isso politicamente.

Por que ela não fez isso?

Porque parte do PMDB também é rentista, parte da base do governo também é rentista. A única pessoa que conseguiu uma maioria estável no Congresso foi FHC, no primeiro mandato. Foi um rolo compressor. No segundo mandato, não foi possível. Houve uma coalizão forte nos dois primeiros anos de lula. Depois do mensalão, acabou. Lula ficou mais dependente do PMDB. Dilma continua com uma base muito fragmentada, sem unanimidade no PMDB e inclusive no PT. Numa situação de grande fragmentação, todo o presidente eleito vai depender do PMDB, que vai continuar sendo o fiel da balança no Congresso. Os presidentes vão continuar reféns de uma forma de fazer política que é a do toma-lá-dá-cá.

Esse conluio, como o sr. define, implica crescimento baixo?

Essas pessoas [do conluio] não tão preocupadas com crescimento. A crítica ao baixo crescimento é resultado da crítica em geral à política econômica. Mas não há recessão. A Europa é que está parada desde 2009. O que impede o crescimento é a taxa de investimento. É uma reação dos empresários à percepção sobre o cenário econômico.

Mas o governo também não falha ao não ser mais ativo no investimento?

Houve um problema sério de transformação da vontade de investir do governo em investimento real. Os projetos de infraestrutura continuam com problemas sérios de execução. Há uma coalizão anti-investimento. Isso decorre, em parte, dos controles instituídos pelos partidos políticos. O Ministério Público acha que o sistema político é corrupto e parte do princípio de que a decisão de investimento por parte do poder publico é corrupta do nascimento. Há uma coalizão anti-investimento por parte de todos os mecanismos de controle. Não estou dizendo que não deva ter controle. Mas chegou-se a um paroxismo em que é muito difícil investir. Esse governo demorou a entender isso. Lula conseguiu, por seu voluntarismo, fazer uma série de projetos. Vários estão ainda pelo caminho: ferrovias, São Francisco, barragens. É fácil lançar o projeto, mas a execução, do ponto de vista dos controles, é muito difícil. Projetos do PAC estão capengando. Ao perceber isso, Dilma fez concessões, que é uma forma de privatização. Agente privado não tem que fazer concorrência, não tem controles. E, por definição, o mercado não é corrupto.

A chance maior é a da reeleição?

Dilma é a candidata mais forte. Passaram os últimos quatro anos tentando destruir o legado de Lula, inclusive o seu jornal e a imprensa em geral no Brasil. Não conseguiram. Lula continua sendo a pessoa mais importante na política brasileira hoje. Ele vai entrar de cabeça na reeleição e é um cabo eleitoral importantíssimo. Só se ouve que o governo é ruim. Apesar disso, ela tem 40%. Claro que essa campanha, orquestrada por uma oposição que vê a chance de chegar ao poder, minou parte da base dela. Tirando a possibilidade do inaudito, ela está no segundo turno e é a candidata mais forte.

Como o sr. avalia essa discussão sobre a classe média e como ela deve se comportar na eleição?

Não concordo com a afirmação de que o Brasil é um país de classe média. É uma definição estatística, não sociológica, que só mede o consumo das famílias. É uma definição ruim, arbitrária e equivocada. Uma parte da classe média vai cotar na Marina e em Campos achando que está votando de maneira mais à esquerda. Identifica nela uma novidade, coisa progressista, mesmo que ela não seja isso. Outra parte vai voltar nos candidatos mais à esquerda, uma classe estudantil que é militante, que foi para a rua. Outra vai continuar fiel ao PT, que lê o cenário como um complô contra o PT. Outra parte vai votar no PSDB, achando que o mercado é o caminho e que o Estado é gigante. Uma proporção grande da classe média pensa assim. Isso tudo dá 20% e não ganha eleição. A eleição vai ser decidida pelos outros 80% que incluem os 50% que são pobres e muito pobres e 30% dessa classe popular que ascendeu e que tem demanda reprimida. Esse pessoal vai ser o fiel da eleição.

O sr. espera grandes manifestações de rua nos próximos meses?

Grandes manifestações, como no ano passado, com um milhão nas ruas, é difícil ter de novo. Mas a política está na rua. Isso não vai acabar. As pessoas vão continuar se fazendo ouvir na rua.

Todo o ano de Copa e eleição há a discussão sobre a interferência do esporte na política. Qual sua visão?

Essa discussão vem desde os anos 1970, na ditadura. Para o governante, de todos os níveis, é melhor que o Brasil ganhe. Isso pode contribuir para amainar os ânimos, para pacificar, para reduzir um pouco o calor da disputa política. Mas não acho que se o Brasil ganhar vai ser bom para a Dilma. As pessoas sabem distinguir. O brasileiro é muito mais inteligente do que se imagina.


Fonte: Folha de São Paulo



Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Prodigy Berrini Grand Hotel e é associado ao Rotary Club de São Paulo. É articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. É também coordenador dos sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br, e autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012...e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens” ,“A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin - Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7
Enviar um Comentário:

Nome:
Email:
  Publicar meu email
Comentário:
Digite o texto que
aparece na imagem:

Vida e Aprendizado 2011.
Reproduçao total ou parcial do conteúdo deste site deverá mencionar a fonte.