RSS
 

O DOADOR DE MEMÓRIAS

Benedicto Ismael C. Dutra
12/09/2014



Jeff Bridges, como o doador de memórias, percebia que naquela civilização os seres humanos tinham perdido algo de sua essência. Apegada ao materialismo a humanidade perdeu a visão do sentido da vida, e com o egocentrismo, passou a viver o presente de forma irresponsável, sem se preocupar com as naturais consequências que adviriam no futuro, semeando o caos.

O filme mostra o futuro de uma nova civilização, que após ter decaído muito pelas escolhas erradas que fez, criando um mundo áspero e hostil, suprimiu a livre resolução, padronizando o comportamento de forma rígida sem levar em consideração as características individuais. Poderíamos dizer que tudo passou a ser comandado pelos administradores investidos no poder que suprimiram a liberdade individual.

O modo de proceder de jovens e adultos tinha de estar em conformidade com o manual, de fora para dentro. As palavras também deviam estar em conformidade com a forma de proceder, tudo sem base no eu interior. Tudo submetido a uma rígida rotina. Os mandantes estabeleceram uma forma de vida mecânica, fria, sem emoções, como se tivessem o comportamento comandado pelo raciocínio, sem coração, sem a participação do espírito, mas não é para isso mesmo que a humanidade está tendendo nesta era em que tudo se padroniza sufocando as individualidades?

Na verdade, no ser humano autêntico, intuição, pensamentos e palavras deveriam estar sempre em harmonia para a sadia construção. A humanidade deixou de ouvir o coração, a voz do espírito, fazendo da mentira e da falsidade a norma de conduta. Era preciso que um líder consciente se destacasse da massa acomodada, buscando restabelecer a perdida conexão com o eu interior sufocado por drogas, temores e condicionamentos. Uma civilização que permanecia tão fora do caminho como a anterior, pois em ambas não havia como alvo prioritário o desenvolvimento e o fortalecimento do eu interior como a razão principal da própria vida.




Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Prodigy Berrini Grand Hotel e é associado ao Rotary Club de São Paulo. É articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. É também coordenador dos sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br, e autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012...e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens” ,“A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin - Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7
Enviar um Comentário:

Nome:
Email:
  Publicar meu email
Comentário:
Digite o texto que
aparece na imagem:

Vida e Aprendizado 2011.
Reproduçao total ou parcial do conteúdo deste site deverá mencionar a fonte.