RSS
 

O BRASIL NO PELOURINHO

Benedicto Ismael C. Dutra
20/03/2015



Qual o significado dessa tragédia que estamos vivendo? Até parece que estamos indo para o Pelourinho, o local na praça pública onde se puniam os escravos. O país precisa de estadistas sábios, competentes, empenhados no progresso real. Precisa fortalecer o preparo da população para uma vida construtiva, benéfica. Sem isso permanecemos dominados e manipulados pelos predadores. Não organizamos a produção industrial e agora o frágil mercado interno recebe duro golpe. Influenciados pela insatisfação e ódio, não estamos vendo o essencial.

Em toda a sua história, poucas vezes o Brasil foi administrado com responsabilidade e visão de melhor futuro. Agora adentramos numa nova crise. Evidentemente, os corruptos predadores devem ceder o lugar para pessoas sérias, competentes, empenhadas no progresso real. Não basta que o poder e a gestão mudem de mãos, precisamos de governantes responsáveis e competentes para que elaborem, com toda a seriedade, um plano de ações que promova o progresso do país e de sua população.

O dólar tem permanecido barato entre nós desde que o Brasil concluiu o resgate da velha dívida externa. É muito bom termos a possibilidade de viajar e adquirir produtos importados, mas sem disciplina isso acaba em déficit que de novo desemboca na armadilha da dívida. Os governos mantiveram essa política ilusória visando agradar ao eleitorado. Para segurar o dólar, antes da eleição, foram vendidos cerca de US$100 bilhões em papéis com variação cambial. O dólar subiu muito, chegou a conta para o governo, isto é, para a população. No jogo financeiro, o Brasil sempre tem perdido, mas especuladores ganhadores existem, pois não seriam tolos de dar moleza numa situação insana como essa.

Com a ilusão do dólar barato, fomos generosos na exportação de empregos para o mundo, enquanto a indústria foi definhando. Mas como não emitimos dólares, a ginástica para manter o artificialismo custou caro. A exportação das commodities básicas tem importância para formar reservas em dólares, mas na ausência de um projeto nação, permanecemos como quintal do mundo, fornecendo matérias-primas com a permanente dependência dos humores dos países importadores que decidem da forma que melhor lhes convêm, enquanto que, internamente, não conseguimos construir uma estrutura sólida para sairmos do atraso em que nos encontramos.

Agora colhemos o desequilíbrio geral. A população não quer aceitar o realismo cambial pressionado pela queda nas exportações; a insatisfação e a revolta eclodem nas ruas, agravadas pelo estelionato nas obras públicas e nas estatais. Economia e política andam juntas, mas o governo, na gestão das estatais, tem se mostrado pernicioso pelo descontrole e despotismo dos gestores. Tem de haver um plano, um acordo que leve ao equilíbrio geral. O Brasil precisa de seriedade, ordem, paz e progresso. É preciso dar um basta ao atual circo nos poderes.

O momento é nebuloso e complicado. Muitos jornalistas de peso dizem que não estão entendendo o que está se passando. Há muito ódio e lutas pelo poder. Não podemos ficar inertes, mas precisamos de cautela e vigilância para não cairmos como inocentes úteis diante de interesses que desconhecemos.

Nesta hora difícil, o patriotismo dos estadistas sábios deve falar mais alto. Essa classe política já tripudiou demais. Com pessimismo, desânimo, despreparo e atos arbitrários, permaneceremos decaindo, colocando o Brasil na beira do abismo. Leva um tempo para consolidar um país com seus propósitos elevados e avançar no desenvolvimento com a participação consciente e confiante da população. Falta consideração para com a população que precisa ser motivada e conscientizada de que pode sair do lodaçal e evoluir com estadistas sérios e responsáveis, e lideranças comprometidas com o progresso geral. Falta união em prol do Brasil. Que os líderes sábios se empenhem na construção decente e benéfica.

Esta é a hora em que o atual governo deve ter humildade para reconhecer os erros, e a população ter a coragem para se unir em torno do ideal de salvar o país. Necessitamos conduzir o Brasil para a sua vocação de nação pacífica, que progride em harmonia, visando o aprimoramento e a felicidade das pessoas que aqui vivem.




Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Prodigy Berrini Grand Hotel e é associado ao Rotary Club de São Paulo. É articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. É também coordenador dos sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br, e autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”, “O segredo de Darwin”,“2012...e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens” e “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade (Madras Editora)”. E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7
Enviar um Comentário:

Nome:
Email:
  Publicar meu email
Comentário:
Digite o texto que
aparece na imagem:

Vida e Aprendizado 2011.
Reproduçao total ou parcial do conteúdo deste site deverá mencionar a fonte.