RSS
 

Mais forte que o mundo

Benedicto Ismael C. Dutra
30/06/2016



 José Aldo, nascido no ano de 1986 em Manaus, foi mais um menino cujo pai se embriagava e espancava a mãe como forma de reagir às frustrações, nada mais que um ser indolente sem coragem e energia para se opor à correnteza derrotista. O que de bom restava no coração de José Aldo devia-se à dedicação de sua mãe. 

O filme é bem feito, tem bom ritmo, mas apresenta um feio e triste retrato do Brasil, com moradias precárias, sem oportunidades para que as pessoas tenham educação e trabalho, cujos governantes não se preocuparam com o fortalecimento da qualidade humana, praticamente desde sempre, pois o país tinha regime escravocrata de trabalho e, quando houve a libertação, no ano de 1988, logo as elites se apressaram em dar um golpe, banindo D. Pedro II e instalando uma precária república sem futuro. 

A falta de preparo das novas gerações é um problema que poucas vezes mereceu a atenção das autoridades; em consequência, deixamos de formar gerações fortes, educadas, com bom senso, inteligência com QI normal e boa saúde. Medo e ódio marcam a formação de muitos jovens num cenário de miséria dolorida. Se o ser humano não se cuidar, acaba decaindo fundo, sem cultura, sem objetivos na vida. Alguns se entregam ao vício da bebida e às drogas, perdendo a fibra. A miséria humana vai aumentando. 

Com o eu interior apagado, as pessoas não se valorizam, nem são valorizadas, perdem a dignidade, não buscam compreender o significado da vida. Para escapar da vida vazia de sentido precisam fortalecer o eu interior voltado para o bem, o que não se consegue com a pseudocultura de massa que achincalha a nossa espécie humana.

O campeão José Aldo, fruto disso tudo, conseguiu superação, mas são poucas as oportunidades que se oferecem aos jovens que enfrentam problemas familiares e sociais na infância e na adolescência, e que acabam ingressando na marginalidade, matando ou sendo mortos ainda jovens.

O campeão canalizou a revolta que tinha para com as condições de sua vida, para as lutas, um esporte brutal no qual os adversários se arrancam o sangue, que envolve muito dinheiro e interesses econômicos, mas que no século 21 já deveria ter sido banido por formas mais enobrecidas de lazer. Enfim, esse é o mundo em que estamos vivendo, mundo que se encontra no limite crítico na natureza e seus recursos, na economia e nos relacionamentos.



Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Prodigy Berrini Grand Hotel e é associado ao Rotary Club de São Paulo. É articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. É também coordenador dos sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br, e autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”, “O segredo de Darwin”,“2012...e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens” e “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade (Madras Editora)”. E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7
Enviar um Comentário:

Nome:
Email:
  Publicar meu email
Comentário:
Digite o texto que
aparece na imagem:

Vida e Aprendizado 2011.
Reproduçao total ou parcial do conteúdo deste site deverá mencionar a fonte.