RSS
 

Precarização geral

Benedicto Ismael C. Dutra
06/09/2018



 As pessoas precisam trabalhar, ter renda e sobreviver de forma condigna. Se as encomendas oscilam, as empresas pequenas e médias não conseguem arcar com a folha de custos fixos. A transferência de fábricas para a Ásia, a automação, a crise financeira de 2008/9, o endividamento dos Estados, tudo contribui para reduzir empregos. O mundo se precariza. A riqueza tem sido mal distribuída entre os geradores e retida em poucas mãos. O mundo precisa de uma revisão em sua forma de atender às necessidades humanas, com equilíbrio e permanente busca de melhores condições gerais de vida. 

Quando a produção se concentra numa região, aumenta a produtividade, mas em outras, os empregos se reduzem. Como chegar a um denominador comum que favoreça todos os povos? Um dos fatores do sucesso chinês pode ter sido a agilidade em punir os corruptos impedindo que prejudicassem o país. A globalização abriu a concorrência entre desiguais, trouxe produtos mais baratos, mas levou empregos. A atividade empresarial na economia compreende a produção, o comércio, os serviços, tudo visando o atendimento das necessidades dos consumidores, geralmente pessoas que necessitam trabalhar para auferir renda e terem poder aquisitivo. Atividades agrícolas são fundamentais, mas para consumir, as pessoas precisam ter oportunidades de trabalho.
 
Enfrentamos o permanente problema da oscilação cambial. É nessa hora que muitos países sentem dificuldades com a globalização dado o repentino encarecimento das importações e das dívidas externas. Todavia, para quem dispõe de dólares, o ciclo de desvalorização favorece aquisições nesses países. As oscilações também dão margem a operações especulativas de entrar com dólar com o câmbio desvalorizado e aguardar a valorização para sair com ganhos espetaculares. 
 
Muitas confrontações ocorrem na área financeira. Os poderosos desenvolvem força defensiva para inibir o fortalecimento de eventuais opositores e exibem potencial ofensivo para intimidar e desestimular iniciativas ousadas para obter ganhos expressivos. A Argentina já não é mais a mesma dentre os países da América do Sul. Ficaram todos mais ou menos iguais, ou seja, menos evoluídos do que deveriam e com as possibilidades de crescimento travadas.
 
O sistema internacional se manteve firme num mundo em que prevaleceram os interesses dos mais fortes. Os mais fracos, geralmente dependentes da exportação de matérias primas, não tinham como discordar da desigualdade no comércio, com a hegemonia do dólar, o que veio a ser reforçado na globalização. Não se sabe se haverá alguma alteração com a moeda global, que está recebendo novo impulso com a elevação dos juros.  Nos países economicamente fortes há muita tecnologia e astúcia, mas pouca sabedoria real. No Brasil, faltam avanços na tecnologia e sabedoria, mas sobra astúcia. O atraso na educação e preparo para a vida é uma constante que também pode ser considerado causa e efeito da precarização dos seres humanos.
 
Os falsos estadistas continuam se digladiando para ver quem manda mais, quem fica com o pedaço mais suculento e, com isso, o futuro fica ameaçado. As novas gerações, despreparadas para a sua responsabilidade, vão perdendo a esperança. Mas, afinal, como foi que o Brasil e o mundo chegaram a esse momento caótico na economia que a tudo constrange? Diante do quadro de incertezas e precarização que vai se tornando realidade, em algum momento será necessário restabelecer o equilíbrio e progresso geral. Quando falamos em precarização, devemos ampliar o conceito; as crises econômicas e o desgoverno estão precarizando as cidades e a vida. Nas regiões de moradias precárias, sem tratamento de esgoto e água suficiente, está se formando uma espécie de câncer urbano, sem lei e sem ordem, prevalecendo a truculência de marginais. 
 
No passado, um dedicado grupo de idealistas liderados pela Imperatriz Leopoldina e por José Bonifácio não mediram esforços para dar ao Brasil, em setembro de 1822, a liberdade política, evento que muitos países vieram a conquistar só no século 20. O projeto era estabelecer uma nação livre, espiritual e materialmente. Esperemos que o sacrifício não tenha sido em vão. A precarização é geral. O tecido social está sendo corroído. É preciso energia para que o país não afunde no abismo da imoralidade como uma nova Sodoma. Precisamos de renovação.
 



Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Prodigy Berrini Grand Hotel e é associado ao Rotary Club de São Paulo. É articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. É também coordenador dos sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br, e autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012...e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens” ,“A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin - Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7
Enviar um Comentário:

Nome:
Email:
  Publicar meu email
Comentário:
Digite o texto que
aparece na imagem:

Vida e Aprendizado 2011.
Reproduçao total ou parcial do conteúdo deste site deverá mencionar a fonte.