RSS
 

Despertando do torpor

Benedicto Ismael C. Dutra
31/10/2018



 As pessoas estão percebendo que há pouco dinheiro circulando devido ao declínio na renda. Ocorreu uma evidente queda das atividades industriais e gerais. Pelas estradas e avenidas há vários estabelecimentos com placas de “vende-se ou aluga-se”. Quando importamos mercadorias, uma parte do dinheiro não fica no giro, vai embora não recircula mais. Para continuar mantendo o dólar barato, de 2012 a 2017 a dívida sofreu um crescimento de um trilhão de reais em juros e perdas cambiais.

Os governantes querem ampliar a esfera de atuação, criam unidades, empregam milhares de pessoas para rotinas ineficientes de controle, e os desonestos procuram tirar vantagem vendendo facilidades.  Esbanjam e desviam o dinheiro. Assumem dívidas enormes para o presente e o futuro. O endividamento público do Brasil alcançou em junho de 2018 o montante de R$ 5,186 trilhões em junho, ou 77% do Produto Interno Bruto. O descontrole representa o grande nó das estruturas perdulárias dos governos. Nos EUA, que prima por controle dos gastos, até setembro o déficit foi de US$ 779 bilhões. 
 
O descontentamento com a forma como o Brasil vem sendo governando há décadas gerou uma grande virada; esperemos que promova os efeitos desejados com seriedade, bom senso e progresso. A indignação se sobrepôs ao torpor, revelando as manobras empregadas para manipulação. Não só a gestão corrupta dos últimos 13 anos com a aparência de visar à melhora das condições, mas todo o histórico da república atesta o descaso com a população, seu despreparo e piora da qualidade de vida. Como o esgoto não tratado que escorre pelas ruas, ou explode dos bueiros, assim é a reação daqueles que se viram desesperançados pela má gestão. Há uma encruzilhada, uma mudança de rumo, mas a bagagem dos erros e a reação de interesses pessoais feridos pesam, gerando turbulências.
 
Já tivemos no Brasil muitos planos que não deram certo. Cruzado, Tablita, Confisco, Real com dólar fixo. Mas a economia precisa de naturalidade para que os agentes possam produzir, gerar trabalho e consumo, o que requer menos Estado, menos monopólios, melhor preparo dos jovens. Imagine um trabalho que rendesse R$ 40 por hora e passasse a ser feito no exterior por R$ 4; isso elimina muitas atividades internas acarretando a precarização geral que não se sabe até onde vai. Isso é um problema que tem de ser resolvido, pois do contrário, na economia 4.0, a humanidade poderá regredir aos tempos da primeira Revolução Industrial, quando a mão de obra saída do campo tinha de trabalhar 15 horas para ter uma existência péssima.
 
Enfrentamos a crise mundial de precarização. Dinheiro curto, pouco tempo para lazer e autoaprimoramento. Os governantes ou produzem inflação, ou manipulam o câmbio com juros elevados, endividando o país, hipotecando o presente e o futuro. A humanidade se defronta com graves desafios. É preciso educar não só com as técnicas para produzir. O homem tem de entender a vida e saber qual a sua posição no planeta. 
 
A natureza está dando seu recado através das catástrofes. O homem quis se sobrepor a ela, dominá-la para fazer dinheiro. Mas somos parte da natureza e destruindo-a, não respeitando seus mecanismos, estamos agindo contra a humanidade, o que não deve ser pretexto para implantar um governo mundial que restrinja a liberdade. Deve-se incluir a natureza na educação infantil. Grande parte da madeira nobre oriunda de 20% da destruição da floresta amazônica foi contrabandeada para fora. 
 
No Brasil, frequentemente ocorrem invasões. Um problema grave, que se arrasta há anos sem um plano de caráter nacional, envolvendo o governo federal, estados e municípios, que impeça a degradação das cidades e precarização geral das moradias. Enquanto nada vai sendo feito, as ocupações irregulares aumentam nas mais precárias condições. Se há elevado número de desempregados, as prefeituras poderiam incentivar as hortas comunitárias em tantas praças e terrenos mal cuidados. Atividades benéficas e alimentos seriam a resultante desse esforço. 
 
Desde longa data há muitas profecias sobre o Brasil como ponto de ancoragem da Luz, e vida pacífica. Isso impunha que os seres humanos ansiassem pelo bem como condição para que a Luz beneficiadora fosse atraída. Com o apego ao materialismo, as trevas erigiram uma muralha escura na Terra que agora deverá ser rompida pela aumentada força da Luz. Haja seriedade e humildade espiritual.



Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Prodigy Berrini Grand Hotel e é associado ao Rotary Club de São Paulo. É articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. É também coordenador dos sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br, e autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012...e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens” ,“A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin - Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7
Enviar um Comentário:

Nome:
Email:
  Publicar meu email
Comentário:
Digite o texto que
aparece na imagem:

Vida e Aprendizado 2011.
Reproduçao total ou parcial do conteúdo deste site deverá mencionar a fonte.