RSS
 

LIBERDADE NA ECONOMIA DE MERCADO

Benedicto Ismael C. Dutra
03/12/2008



A economia de mercado traz o pressuposto da liberdade e, sem ela, as ações humanas não têm sentido. Na concepção de Adam Smith, a economia de mercado só é possível em uma sociedade livre, “da liberdade perfeita” onde cada pessoa trabalha no sentido de atender ao seu interesse pessoal. O comportamento natural de povos livres é a melhor maneira de se assegurar de que os produtos e serviços estejam sendo produzidos nas quantidades e qualidade adequadas e distribuídos da maneira mais eficiente.

No entanto, ao se afastar do caminho das leis naturais da vida, no intuito de satisfazer interesses egoísticos, a humanidade estruturou a vida calcada em muitos artificialismos, passando a produzir de maneira irracional muitas coisas que não são necessárias, e nem tão pouco essenciais. Muitos são os desperdícios, muitos são os recursos utilizados para fins inadequados, resultando num desequilíbrio. A população está consumido 30% a mais do que o planeta pode repor naturalmente.

Apesar dos avanços tecnológicos, a humanidade ainda permanece nos estágios mais elementares do desenvolvimento, o que fez crescer a miséria e a exploração do homem pelo homem. Adam Smith nunca supôs que os seres humanos seriam conduzidos unicamente pelo interesse pessoal em um sentido material, mas presumiu que para a maioria das nações o “interesse pessoal” incluiria o “interesse espiritual”.

Os diferentes povos estão no planeta Terra para alcançar evolução e felicidade. A partir do solo onde nasceram deveriam desenvolver a cultura própria e cultivar a diversidade para revigoramento e progresso contínuos. Supõe-se que um povo evoluído saberia manter o crescimento populacional em níveis adequados aos recursos naturais disponíveis, e o crescimento econômico continuado deveria ter possibilitado uma participação equitativa nos resultados, incluindo desenvolvimento cultural, boa formação pessoal e educacional. Um povo evoluído não transformaria as finanças num cassino de apostas virtuais onde a astúcia pode obter mais ganhos do que a produção de bens reais. As elites econômicas criaram o pressuposto de que se poderia criar riqueza através da liquidez virtual inflando todas as cotações e deu no que deu: os preços baixaram, a liquidez evaporou e o mundo se viu pobre, diante das inúmeras necessidades não atendidas.

Como consequência estamos ingressando numa fase de retrocesso com redução de renda da população, inclusive nos EUA, nação que tinha o sonho de progresso harmonioso e pacífico, admirado e invejado pelos povos.

Agora o momento é critico. Para transformar em ação o “we can” – cantado na vitória do novo presidente norte-americano eleito, Barak Obama – temos que acreditar que podemos modificar a situação se estivermos dispostos a acatar as normas ditadas pelo bom senso. O momento é muito difícil. É de luta pela sobrevivência, e sem uma forte dose de boa vontade para uma reconstrução condigna com a espécie humana, será dificil evitar que os temores e os ódios se sobreponham ao bom senso e precipitem os acontecimentos de forma definitiva e irreparável.



Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Prodigy Berrini Grand Hotel e é associado ao Rotary Club de São Paulo. É articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. É também coordenador dos sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br, e autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012...e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens” ,“A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin - Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7
Enviar um Comentário:

Nome:
Email:
  Publicar meu email
Comentário:
Digite o texto que
aparece na imagem:

Vida e Aprendizado 2011.
Reproduçao total ou parcial do conteúdo deste site deverá mencionar a fonte.