RSS
 

FATORES PROFUNDOS

Benedicto Ismael C. Dutra
19/04/2012



Refletir sobre os fatores profundos que amoldam a economia global como meio de expandir os horizontes visuais e também os horizontes temporais, é o que recomenda o economista Daniel Altman em seu livro “O futuro da economia”. Daniel acha que temos de deslocar o foco da previsão econômica para prazos mais extensos, a décadas de distância, concentrando a atenção nos fatores profundos que influenciarão o futuro.

Tomemos um exemplo: a Igreja condenava a prática da usura. Isso levou os banqueiros a procurar locais e religiões que liberassem os empréstimos a juros, e durante longo período, Londres se manteve como o centro das finanças, posição que após a II Guerra Mundial foi assumida por Nova York.
 
Os dogmas das finanças acabaram sendo tão danosos para o progresso real quanto os dogmas da religião, pois o imediatismo e a sede de poder e ganhos levaram a uma generalizada falta de objetivos elevados e governança séria, criando instabilidades pelo mundo inteiro. As populações ingênuas continuaram a ser manipuladas como nos tempos do colonialismo, quando os países atrasados serviam de reserva para os mais adiantados. 

Outro exemplo: no Brasil os governantes não deram a devida atenção ao preparo da população e, em decorrência, estamos atrasados em muitos itens do chamado desenvolvimento humano e econômico. As administrações municipais não se preocuparam com a ocupação clandestina de áreas de proteção aos mananciais e encostas de morros. Como consequência, cidades como São Paulo e sua região metropolitana ficaram saturadas de favelas desalinhadas, sem arruamento e infraestrutura, o que teria de gerar consequências negativas para o progresso e aumento da violência.

No final do mês de março, a cidade de Francisco Morato foi palco de uma explosão de vandalismo em decorrência de pane elétrica na linha 7 de trens da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos afetando 90 mil passageiros. O secretário de Estado dos Transportes Metropolitanos disse acreditar em motivação política para o tumulto e a depredação da estação. O delegado titular da Delegacia de Francisco Morato, Aloysio Salotti, disse que foi uma ação de momento, sem premeditação. Mas de um jeito ou de outro, não deixa de ser uma atitude condenável e reveladora do despreparo da população, pois a estação e os trens são para uso da população. Outras formas de protesto devem ser postas em prática para assegurar a melhora do transporte das pessoas que ajudam a produzir a riqueza do país.

Com certeza, isso também está inserido nos fatores profundos que amoldam a economia. Se desejarmos aumento de produtividade e qualidade, temos de atentar também para os aspectos ligados ao transporte daqueles que trabalham e consomem muitas horas estressantes para ir e voltar do local de trabalho. O mesmo se aplica ao transporte de mercadorias. São muitos os acidentes envolvendo caminhões. As estradas se encontram em péssimas condições e sem conservação, e os motoristas pressionados pelos prazos das entregas.
 
O sistema descambou para os individualismos e defesa de interesses pessoais. Os políticos e grupos econômicos se associaram para defesa de interesses próprios. Aqui, se associam até a grupos do crime organizado. Onde vai parar o Brasil? Em artigo publicado no jornal o Estado de São Paulo de 1º de abril, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso afirmou: “Haverá quem diga que sempre houve corrupção no País e pelo mundo afora, o que provavelmente é certo, mas a partir de certo nível de sua existência e, pior, da aceitação tácita de suas práticas como "fatos da vida", se ela não acaba com o País, deforma-o de modo inaceitável. Estamos nos aproximando desse limiar”.

A gestão pública deveria ser planejada com seriedade e responsabilidade, com olhar atento nos resultados, mas em nossas casas legislativas, em todos os níveis, os homens públicos têm agido como se fossem os donos deste país, exigindo que todos se curvem de forma subserviente com beija-mãos e bajulações. Os administradores indicados pelo povo devem se preocupar com a eficiência dos dispêndios do dinheiro público e com a melhora efetiva da qualidade de vida e preparo da população, sem isso não se pode falar em democracia autêntica e realmente próspera.



Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Prodigy Berrini Grand Hotel e é associado ao Rotary Club de São Paulo. É articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. É também coordenador dos sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br, e autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”, “O segredo de Darwin”,“2012...e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens” e “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade (Madras Editora)”. E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7
Enviar um Comentário:

Nome:
Email:
  Publicar meu email
Comentário:
Digite o texto que
aparece na imagem:

Vida e Aprendizado 2011.
Reproduçao total ou parcial do conteúdo deste site deverá mencionar a fonte.