RSS
 

O BRASIL E SUA DEPENDÊNCIA

Benedicto Ismael C. Dutra
03/11/2013



Vivemos num mundo sob constantes ameaças. A economia tem sido o palco de muitas batalhas ocultas por trás das cortinas. A tendência para a escassez de recursos promove ameaças ainda maiores que já estão se tornando visíveis. O Brasil ficou parado desde a proclamação da República, enquanto americanos e europeus deram passos decisivos para o desenvolvimento. Os asiáticos investem em produção e educação. A entrada do Japão, Coreia e depois a China, revolucionaram o modo de produzir, enfraquecendo a produção da indústria ocidental.

Esperemos que os economistas e outros cientistas se unam com as entidades para que, embora tardiamente, nos preparemos para os difíceis tempos vindouros. Muitos problemas já são bem conhecidos. Precisa motivação e vontade para corrigir os erros. Estava na cara que as infladas valorizações das Bolsas um dia teriam de voltar para o chão. Diziam que as cotações antecipavam o valor futuro, superando várias vezes o valor patrimonial. A baixa foi mundial. Agora abundam explicações, mas ninguém entende bem o que se passa.

Os países ficaram viciados em dívidas, gastando mais do que arrecadam em impostos e elevados encargos com as dívidas. Mesmo com a grande carga tributária, as dívidas se elevam, pois os gastos não se reduzem. Em Portugal, o IVA (Imposto sobre o Valor Acrescentado) ao consumidor é de 23%. O crescimento se torna imperioso para assegurar o serviço da dívida, formando um ciclo vicioso. Mais crescimento, mais dívidas, mais juros. Assim para onde vamos? O mundo viveu a era dos sonhos com a industrialização do Ocidente, mas depois, sem ordenamento, veio a deslocalização. As empresas passaram a produzir na Ásia com menos restrições ambientais e mão de obra barata. Agora a indústria ocidental está fragilizada.  Como isso vai ser resolvido? Muitos países estão prostrados em suas dívidas. Quem vai nos tirar da estagnação e como? Uma boa pergunta. Quem responderá?

Com tantos estudos de economia e finanças, será que não se percebia a tendência para que a economia brasileira se tornasse dependente dos fluxos de capitais externos para equilibrar a desastrosa balança de pagamentos? Milhares de comentários foram feitos, mas pouco se analisou a estrutura dessa dependência, e quase nada tem sido feito para reduzi-la ou eliminá-la.

Estamos perdendo a lucidez. Situação confusa para um país devedor de mais de 16 trilhões de dólares. O que estaria por trás dessa aparente oposição ao “Obamacare”? Será que o dólar vai perder sua posição de moeda global? Se nos EUA as coisas se complicam no jogo político, criando indefinições econômicas e financeiras que preocupam o mundo, o que esperar de países como o Brasil ou os da África cujos gestores têm agido com imediatismo, pensando só em si e na próxima eleição? Cabe a nós, humanos, a responsabilidade pelo futuro. Se continuarmos displicentes, estaremos formando um futuro cada vez mais sombrio, o contrário do que se poderia esperar do homo sapiens.

As análises revelam a tendência para a escassez global dos recursos conhecidos como commodities. Os países endividados e com disputas políticas permanecem insensíveis quanto aos problemas futuros, enquanto a China trata de se antecipar aos demais com seus capitais e diplomacia, buscando assegurar os suprimentos. Quanto ao Brasil, a diretora gerente do FMI, Christine Lagarde,  recomenda prudência, pois o endividamento poderá ficar fora de controle.

Outro triste episódio foi a queda da USP no ranking das melhores universidades do mundo. O Brasil precisa de professores dedicados e alunos com vontade de aprender. Na USP há muitas greves dos estudantes e declínio na qualidade dos formandos. Aqueles que têm a oportunidade de ir para as universidades poderiam ajudar o país não com greves, mas contribuindo para a elevação de patamar através de análises, comentários, seminários sérios em busca de solução, tudo sem viés político ou ideológico, prevalecendo o interesse geral.

A população também precisaria se mexer mais, estudar mais, ler mais. A internet ajuda. Em vez disso, muitos ficam perdendo tempo vendo o besteirol televisivo. As pessoas precisam de autoconfiança e autoestima, de estabelecer propósitos, ir em frente com coragem. Não adianta ficar esperando tudo de bandeja. Precisa força de vontade e dedicação.  

Necessitamos, no Brasil, de um tesoureiro lúcido que não lance o país num amontoado de dívidas que aumentem a sua dependência. Precisamos de gerações à altura dos crescentes desafios. Os jovens e universitários devem se unir na busca da melhora, preparando-se com afinco para estarem aptos a oferecer a sua contribuição ao bem geral, antes que sejamos engolidos por interesses externos, correndo o risco de perdermos a autonomia como país.



Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Prodigy Berrini Grand Hotel e é associado ao Rotary Club de São Paulo. É articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. É também coordenador dos sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br, e autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”, “O segredo de Darwin”,“2012...e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens” e “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade (Madras Editora)”. E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7
Enviar um Comentário:

Nome:
Email:
  Publicar meu email
Comentário:
Digite o texto que
aparece na imagem:

Vida e Aprendizado 2011.
Reproduçao total ou parcial do conteúdo deste site deverá mencionar a fonte.